Ler livros de banca também é bom! #03 - Paixão Explosiva - Sandra Brown




Mais uma indicação de livro de banca que merece ser lido e tá na nossa estante.

Generosa, Jenny Fletcher punha em segundo lugar os seus próprios sonhos e necessidades, e em primeiro os de seu noivo, Hal, um homem mais comprometido com uma causa do que com ela. Na véspera de sua viagem para a América Central, ele lhe deu o que Jenny mais queria na vida... uma noite de paixão. Foi seu último presente.Cage Hendren contrastava em tudo com o irmão, Hal. Ovelha negra da família, ele só tinha ternura por Jenny. Mas ela sempre o achara selvagem e implacável demais... até que Cage lhe mostrou o lado selvagem que ela mesma não sabia que tinha dentro de si. E depois de ser iniciada na arte de sentir prazer, Jenny jamais poderia ser outra vez a mulher de antes... 
Confesso que não esperava muitas coisas quando fui ler este livro da Sandra Brown, tudo bem que o nome é bem chamativo e tal, mas a capa (a da versão da Nova Cultural) e a sinopse não são lá essas coisas... Por isso quando fui ler o mesmo, não tinha bem definido o que o livro poderia trazer e por não ter essa noção, minhas expectativas não estavam em alta.

Foi então que a coisa foi me pegando de jeito no decorrer da leitura que quando dei por mim já estava apaixonada pelo livro, pela escrita da autora e principalmente pela história.

Para quem não leu o livro ele conta a história de Jenny, uma jovem mulher que sempre procurou ajudar aos outros e só depois pensar nela mesma. Ela era noiva já alguns anos de Hal, um homem que dava mais valor as causas que ele defendia do que propriamente ao relacionamento dos dois. E foi por ele dar mais valor a essa causa que aconteceu algo que o fez se separar dela para sempre.

Hal tinha um irmão que era considerado à ovelha negra da família, então, se o Hal era o super estimado e amado pelos pais, o Cage era justamente o contrário. Sendo cobiçado por mais da metade da população da cidade, Cage não era muito bem visto pelos próprios pais que eram bem religiosos e não aceitavam algumas atitudes suas.

Na última noite antes da partida de Hal para o México, Jenny faz uma última tentativa para que o mesmo desistisse da viagem e assumisse de uma vez o seu noivado. O que ela nunca imaginou é que não era o Hal que estava com ela e que, naquela noite, era uma pessoa que seus “sogros” não gostavam que a estava abraçando (e fazendo outras coisitas mais né?...KKKK).

Devo dizer que, inicialmente, a Jenny é bondosa demais, é daquelas mulheres que dizemos que só existe em livros, mais com o decorrer da trama ela vai ganhando força e se mostrando ser uma mulher de bastante fibra. O Hal e os pais deles são muito cheios de si, daqueles que sempre querem ser os certinhos, que não querem que os outros os contradigam, entende? Mais o que eu simplesmente amei conhecer foi o Cage, ele realmente é daqueles caras que encanta todas as mulheres por seu jeito de ser e pelo seu estilo meio rebelde.
Nutri até, certa invejinha boa da Jenny (rs) por ter um cara tão atencioso, carinhoso e que realmente a queria e gostava dela de verdade. E olhe que pra ele provar isso a ela não foi fácil viu...kkk.

Enfim, indico a história por ela ser realmente muito boa. A Sandra soube dosar muito bem as cenas de amor e tratar de um tema até meio polêmico- pois venhamos e convenhamos, não é muito fácil aceitar um irmão ficar com a mulher do outro irmão né?- de uma forma tão bonita e delicada.

"Ficou escutando o trovejar distante da batalha até que o silêncio finalmente prevaleceu. Viu os primeiros clarões do dia no horizonte. E continuou com ela nos braços, a noiva de Hal. A mulher que ele amava".

Por isso, fica a dica.

Recomendadíssimo!

O vento me disse...#08 - A Elite - Kiera Cass

Livro: A Elite
Autor (a): Kiera Cass
Número de páginas: 360
Editora: Seguinte
Ano: 2013
Skoob: aqui
A Elite - A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Só uma se casará com o príncipe Maxon e será coroada princesa de Illéa. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Quando ela está com Maxon, é arrebatada por esse novo romance de tirar o fôlego, e não consegue se imaginar com mais ninguém. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto, dominada pelas memórias da vida que eles planejavam ter juntos.America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer — e ela está prestes a perder sua chance de escolher. E justo quando America tem certeza de que fez sua escolha, uma perda devastadora faz com que suas dúvidas retornem. E enquanto ela está se esforçando para decidir seu futuro, rebeldes violentos, determinados a derrubar a monarquia, estão se fortalecendo — e seus planos podem destruir as chances de qualquer final feliz.
Como muitos sabem A Elite é o segundo volume da trilogia (que não é mais uma trilogia*) A Seleção da autora Kiera cass. Em um mundo distópico vemos trinta e cinco garotas disputando o coração do príncipe Maxon e consequentemente a coroa do reino de Illéa. Quer dizer, nesta nova faze, ou seja, na Elite restam apenas seis garotas na tão sonhada disputa pelo trono.


Quem já leu a resenha aqui no blog, sabe que a seleção é vista pelos moradores de Illéa como um meio de uma das meninas das castas mais baixas conseguirem mudar de níveis na sociedade (fazendo uma comparação com o mundo “real”, seria quando uma mulher se casa com um cara só para mudar de posição social, entende...kkk?). Existe uma disparidade enorme entre as castas e por trás dela existem grandes segredos que ajudaram o reino de Illéa chegar aonde chegou. E é neste clima que seis meninas se enfrentam, fazendo surgir uma competição muito mais acirrada, onde segredos serão revelados, amizades são postas a prova, o que era o certo passa a ser o duvidoso e isso tudo sobre presença constante de ataques dos rebeldes que estão cada vez mais fortes.

A Elite era uma das leituras mais esperadas por mim assim que foi lançada em 2013, pois a seleção sem sombra de dúvidas foi um ótimo livro para mim. Afinal, existe algo na narrativa da Kiera Cass que simplesmente me fascina, transformando uma história que às vezes ninguém dá o crédito, em algo que se for parar e pensar é muito mais profunda.

No livro podemos ver como a protagonista, America, realmente percebe o que está em jogo e decide realmente o que quer. Entretanto, para chegar a essa decisão ela teve muitos momentos de dúvidas. Confesso que essa indecisão dela me deixava irritada às vezes. Me pegava dizendo. – Decide logo o que você quer! – Deixa de ser besta! Kkk

E foram esses momentos de indecisão dela que acabou gerando situações que realmente me surpreenderam ao longo da leitura. Eu que era 100% Maxon passei o olhar como um homem comum- sujeito a acertos e falhas- e não como aquele tipo de príncipes perfeitos que vemos por ai, sabe? O Jaspen ganhou um pedaço do meu coração com atitudes que eu super aprovei, me deixando cada vez mais em dúvida de quem mereceria ganhar o coração de America.

Enfim, acho que a história da Kiera foi criada de uma forma tão bem feita que apesar de alguns pormenores eu super aprovei, principalmente, pelo cunho político da trama, que não está tão escancarado. Para um bom entendedor ou um leitor mais critico, dá para enxergar nitidamente, o que se encontra por trás da disputa amorosa, vestidos deslumbrantes e disputas entre garotas. O que está em jogo é mais do que o coração de Maxon, é o futuro de Illéa.

Mas como decidir entre duas boas opções? Como decidir se qualquer escolha deixaria parte de mim destruída?”
                
*Inicialmente, a autora iria fazer apenas uma trilogia de A Seleção, entretanto, o sucesso foi tanto que agora em maio ela lança um novo livro. Sendo que este será narrado pela filha mais velha de America, Eadlyn. Quero saber como será essa nova história, afinal, tanto America como o Maxon eram super contrários a seleção e neste novo livro iremos ver a Seleção de Eadlyn. Só quero ver como vai ser o desenrolar da história. Será que vai ela vai ser tipo a Mia de O diário de uma princesa, que convence ao povo de Genóvia que não precisa de um marido para governar???? Será que a Seleção deixará, enfim, de existir?

O vento me disse...#07 - De repente, o destino - Susan Fox


Livro: De repente, o destino
Autor (a): Susan Fox
Número de páginas: 382
Editora: Única
Ano: 2013
Skoob: aqui
Compre: aqui
A vida de Theresa Fallon sempre foi cercada de estudo e teses, afinal, ela é o gênio da família e se orgulha disso. Mas o destino... ah, o destino! Voltando da Austrália para o Canadá para o casamento de sua irmã mais nova, Theresa conhece Damien Black, um homem elegante e extremamente sedutor. Apesar de sua personalidade um tanto arrogante negar a atração, existe algo nele que faz com que ela queira se entregar totalmente.Damien já está cansado de ser assediado por mulheres. Escritor de sucesso e incrivelmente sexy, ele não precisa se esforçar muito na área da conquista feminina. Quando conhece Theresa, o jogo da conquista se torna realmente tentador e ele usará seus dotes para conquistá-la. Será um longo voo. E nessas horas eles terão tempo suficiente para aproveitar essa brincadeira do destino...
De repente, o destino é o primeiro livro da série das irmãs Fallon da autora Susan Fox e conta a história de uma mulher que depois de um casamento malfadado tem a missão de planejar o casamento de sua irmã mais nova, essa mulher nada mais é do que a Theresa Fallon. Ela se vê nessa “enrascada” por ser considerada a irmã Fallon mais responsável de todas e sem outra alternativa, ela acaba preparando tudo e viajando para o Canadá onde vai ser realizado o casamento. 

Além de responsável, Treresa era uma pessoa super inteligente e pragmática por isso não encarou esse desafio como um desafio, tinha tudo já planejado. O que ela não esperava encontrar era um homem simplesmente MARAVILHOSO como companheiro de viagem.

Esse companheiro nada mais era do que o escritor australiano de ficção Damien Blake, que cansado das badalações e dos interesses das mulheres vê uma oportunidade de conquistar Theresa, uma mulher que não era do padrão que ele estava acostumado a ficar e que por sinal não sabia nem quem ele era. O que ele e nem ela imaginava é que o destino guardava surpresas que ambos nunca imaginaram encontrar quando decidiram embarcar naquele avião.


Em De repente, o destino podemos conhecer duas pessoas que apesar de aparentemente serem opostas acabam encontrando muitas coisas em comum. Que decidem arriscar numa aventura amorosa intensa e prazerosa. Confesso que não tenho nada a reclamar sobre eles, cada um são consciente dos seus desejos e sabem o que querem. Não ficam naquele lenga, lenga que geralmente vemos em livros do gênero, sabe? Esse foi um fator positivo sobre o livro. Outros pontos que também foram positivos no livro, a meu ver, foram à narrativa que é intercalada entre os dois personagens principais, podendo assim, o leitor saber o que cada um pensa. Nas partes hots a autora soube descrever as situações perfeitamente, ou seja, nada foi vulgar e a editora acertou na fonte das letras e na cor amarelada das páginas (meus olhos agradecem... kkkk).

Sabe o que também achei interessante, foi nas partes em que o personagem do Damien falava sobre o processo de escrever e da sua insegurança na hora de divulgar um livro. Tenho certeza que a autora usou suas próprias experiências para descrever essas situações.

Agora, apesar de todos esses fatores positivos que citei devo dizer que nem tudo são mil e uma flores. Para começar, não procurem neste livro aquele tipo de história que vai fazer você ficar pensando e refletindo mesmo depois de terminar a leitura. A história é meio clichê. Então, podem imaginar como termina o final. E sabe o que senti falta? Foi de um diferencial, alguma coisa que pudesse diferenciá-la de outras obras do gênero. Sabe quando a gente ler um livro que acontece algo que você não espera que fica se perguntando: - o que? –Como isso foi acontecer? Esse algo foi o que faltou. Por isso para mim, o livro foi apenas mais uma leitura. Nada mais.
“Não guarde rancor e não vá para cama com raiva. Isso contamina. Mesmo que esteja furiosa com a outra pessoa, pergunte a si mesma se sua vida seria melhor sem ele. Se a resposta for sim, melhor sair dessa cama e ir embora. Se a resposta for não, então lhe dê um grande beijo. Converse  sobre o que está errado, tente corrigir e siga em frente.” 

Enfim, cada história tem seus pros e contras, espero que eu tenha ajudado. Quem quiser comprar deixo o link (inicio do post), já vi esse livro por R$ 4,98 no site das americanas. Fiquem de olho, que às vezes aparece uma boa promoção.

Quote da semana...#03 - A Menina que roubava livros



Bom dia, o quote desta semana é de um livro muito especial. Só lembrando, esta tag é baseada no trechos de quarta do blog dailyofbooks


Quem quiser...
É só colocar titulo e nome do autor do livro pode ser o que você está lendo ou que já leu;
Escolher o “trecho” preferido e postar.



                                         Titulo: A Menina que roubava livros
                                         Autor(a): Markus Zusak

Ler livros de banca também é bom! #02 - A Falta que você faz - Michelle Reid



Mais uma indicação de livro de banca que merece ser lido e tá na nossa estante.

Rachel e Daniel tinham três filhos adoráveis e um casamento sólido o; pelo menos, Rachel sempre acreditara nisso. Mas sua feliz existência foi destruída quando lhe contaram que Daniel tivera um caso amoroso. Então, ela percebeu que eles estiveram distantes durante vários anos. Rachel queria salvar seu casamento, mas não seria tarde demais Será que ela conseguiria perdoar Daniel, apesar de ele ter cometido, a pior traição?

Quando Rachel e Daniel se conheceram em uma festa logo bateu aquela atração entre os dois. E mesmo Rachel sendo muito jovem e inocente não teve medo de arriscar algo com Daniel que era bem mais velho do que ela.

Depois de um tempo de namoro e de estarem cada vez mais apaixonados Raquel acabou ficando grávida, o que fez com que ambos decidissem se casarem o mais rápido o possível.

Depois de anos de um casamento solido e já com três filhos o casal vai enfrentar a maior prova em seu relacionamento. Daniel o homem por quem Rachel dava a vida comete um grave delito. Ele a trai com uma colega de trabalho.

Devo dizer que poucos são os livros que sabe tratar do tema da traição de uma forma que não nos deixe aquela sensação ruim, sabe? Aquela sensação de que quando a mocinha descobre que foi traída por mais que conheça outra pessoa, não deixa totalmente aquelas magoas ou que simplesmente não deu o troco, entende? Isso foi o que aconteceu comigo nas leituras de A Primeira vez e O segredo do meu marido por exemplo.

Em A Falta que você faz da Michelle Reid isso é tratado de uma forma tão magistral, que posso afirmar pra vocês, essa sensação que apontei no parágrafo anterior é substituída totalmente por outras emoções que são muito mais profundas.

Consegui me identificar perfeitamente com a personagem da Rachel e até mesmo com o do Daniel. Quando eles tiveram a crise no casamento já estavam meio que acomodados, sabe quando um relacionamento já dura anos e a rotina começa a tomar conta? Com eles foram isso que mais ou menos aconteceu.

A Rachel apesar de não trabalhar fora, tinha que cuidar dos filhos pequenos e da casa, sobrando pouco tempo para ela quanto mais para o casamento dos dois. O Daniel por outro lado, também só pensava no trabalho e tal. E num dia desses ele acabou saindo com uma colega no trabalho, acabou bebendo demais e acabou transando com ela.

Quando a Rachel acaba descobrindo e o Daniel confirma o que aconteceu, é o inicio de um momento conturbado no relacionamento dos dois. E que com o passar da história vamos vendo como eles tentam lidar com essa situação.

Rachel até pensa no divorcio mais no fim ela sabe que não poderia deixá-lo por que ele foi o seu primeiro e único amor, ou pior, ela sabe que apesar de tudo ele sempre a amou. Que ainda a ama.

Com o passar do tempo vemos como a Rachel passa a confiar mais em si mesma, ela passa a se valorizar mais, se cuidar mais. Ele também percebe essas mudanças e tenta a cada dia provar seu arrependimento e como a ama.

Enfim, me encantei com essa história por ela nos trazer uma situação que é super real, ela pode (ou já aconteceu) muito bem acontecer comigo, com você ou com alguém que conhecemos. Sem falar, que a autora soube tratar de uma forma tão natural e delicada que me trouxe uma sensação boa final.

Me encantei quando os mocinhos se conheceram e casaram, fiquei feliz em saber que eles iriam construir uma família apesar de não estarem planejando ter um filho naquele momento, fiquei com raiva quando o protagonista trai a esposa e depois confessa, fiquei angustiada quando a mocinha soube da traição do esposo e por mais que quisesse continuar com o relacionamento não sabia mais o que fazer para perdoá-lo, fiquei maravilhada quando eu vi que a Rachel passou a se cuidar e gostar mais de si, deixando de ser apenas a típica mulher devotada para a família. Fiquei feliz quando aos poucos eles foram se provando que gostavam um do outro e foram dando a volta por cima.

E, sobretudo, fiquei feliz com essa história, que nos mostra que, quando existe algum sentimento em um casamento, por mais que passem os anos e que aconteçam situações desagradáveis, ainda se vale a pena perdoar e tentar.

Tentar e ser feliz.

O vento me disse...#06 - O Presente - Cecelia Ahren

 Livro: O Presente
Autor (a): Cecelia Ahern
Número de páginas: 320
Editora: Novo Conceito
Ano: 2013
Skoob: aqui
Compre: aqui
Todos os dias, Lou Suffern luta contra o tempo. Ele tem sempre dois lugares para ir, tem sempre duas coisas a fazer. Quando dorme, sonha com os planos do dia seguinte, e, quando está em casa, com a esposa e os filhos, sua mente está, invariavelmente, em outro lugar. Numa manhã de inverno, Lou encontra Gabe, um morador de rua, sentado no chão, sob o frio e a neve, do lado de fora do imenso edifício onde Suffern trabalha.  Os dois começam a conversar, e Lou fica muito intrigado com as informações que recebe de Gabe; informações de alguém que tem observado uniões improváveis entre os colegas de trabalho de Lou, como os encontros da moça de sapatos Loubotin com o rapaz de sapatos pretos... Ansioso por saber de tudo e por manter o controle sobre tudo, Lou entende que seria bom ter Gabe por perto — para ajudá-lo a desmascarar associações que se formam fora de suas vistas — e lhe oferece um emprego. Mas logo o executivo arrepende-se de ajudar Gabe: sua presença o perturba. O ex-mendigo parece estar em dois lugares ao mesmo tempo, e, além disso, Gabe lhe fala umas coisas muito incomuns, como se soubesse do que não deveria saber...  Quando começa a entender quem é realmente Gabe, e o que ele faz em sua vida, o executivo percebe que passará pela mais dura das provações.  Esta história é sobre uma pessoa que descobre quem é. Sobre uma pessoa cujo interior é revelado a todos que a estimam. E todos são revelados a ela. No momento certo.  
A leitura do livro da escritora irlandesa Cecelia Ahren, O Presente (The Gift, titulo original), foi sem sombras de dúvidas um grande presente para esta leitora que vos fala. De ante mão, me atenho ao conselho de que, prepare-se para uma história que ao fim vai te fazer refletir, nem que seja um pouquinho.                      

“Essa história é sobre pessoas, segredos e tempo. Sobre pessoas que, assim como os embrulhos, guardam segredos, escondem-se sob várias camadas, até encontrarem as pessoas que poderão desembrulhá-las e ver o que há por dentro. Às vezes é preciso se entregar a alguém para perceber quem você realmente é”. (págs.13 e 14)

O livro teve seu lançamento datado ainda em 2010, sendo que no Brasil, em 2013 pela Editora Novo Conceito.  O livro conta ao mesmo tempo duas histórias, sendo uma narrada em tempo real e a outra sendo contada por estes personagens. Na primeira narrativa, nos é apresentado um menino que, no período das festas natalinas, acaba atirando um peru na janela da casa do seu pai devido o mesmo preferir passar o Natal com a segunda esposa invés de estar com ele. Por esta “travessura” o mesmo acaba indo parar na delegacia, onde estão os policiais Jéssica Raphael.

Mais que literatura...#04 - Série Dawson´s Creek




Hoje, vamos falar sobre uma série que tenho (quase) certeza acompanhou o inicio da adolescência de muita gente (quem nasceu no inicio da década de 1990 pelo menos, acredito eu...kkkk). Estou falando de Dawson’s Creek.

A série teve sua primeira temporada lançada em 1998 nos EUA. E foi uma das séries mais comentadas, principalmente pelo público jovem americano da época. No Brasil, apesar de ter passado em canais abertos, como a MTV e a Record, e ter recebido boas criticas, não teve aqueleeee alarme. 

A série tinha como protagonista o jovem Dawson Leery (James Van Der Beek) que vivia um mundo de novas descobertas com seus amigos Joey Potter (Katie Holmes), Jen Lindley (Michelle Williams), Pacey Witter (Joshua Jackson) e posteriormente o Jack McPhee (Kerr Smith).



A série teve ao todo 6 temporadas, sendo encerrada em meados de 2003. Foi nesta série que podemos conhecer futuros grandes talentos do cinema como a Katie (ex de Tom Cruise) e a talentosa Michelle (que fez o Segredo de Brokeback Mountain e Sete dias com Marilyn). Enfim, criada pelo Kevin Williamson, a série ganhou grande repercussão devido à forma madura em que abordava as questões relacionadas com a adolescência e seu cotidiano. Era uma coisa tão natural, sabe? As situações que eles passavam eram muito parecidas com situações que nós mesmos vivemos na nossa adolescência. Não era nada surreal ou caricato, entendem?

Eu amava assistir, principalmente as três primeiras temporadas. Devo dizer que a partir da quarta a série foi meio que perdendo o brilhantismo (ao meu ver) que nas primeiras temporadas, acho que isso aconteceu mais por causa de mudanças na direção. 

Apesar de tudo, sei que uma coisa é certa, aquela nostalgia que sinto vendo a série no youtube ou em DVD é maravilhosa, e a trilha sonora então? Incrível, só contribui!
Tenho certeza que quem acompanhou também se lembra do triângulo que se formou na série, com quem a Joey devia ficar? Dawson ou o Pacey?? Esse triângulo movimentou e muito os admiradores da série que até hoje é lembrada com muito carinho.


E para relembrar Dawson’s Creek que é a melhor série da década de 1990, em se tratando de dramas adolescentes. Vamos relembrar algumas trilhas sonoras e momentos da trama? E se você não acompanhou ou nunca ouviu falar, que tal conhecer um pouco mais sobre a série?

O primeiro vídeo é um misto de momentos de Dawson e Joey que apesar de não terminarem juntos no final, nos deu grandes momentos de amizades que serão sempre lembrados. O vídeo ainda ganha grandes emoções por ainda vir acompanhado da belíssima música Feels Like Home da Chantal Kreviazuk.

Algo em seus olhos faz com que eu queira me perder
Faz com que eu queira me perder nos seus braços
Há algo na sua voz
Que faz meu coração bater mais forte
Tomara que este sentimento, dure pelo resto da minha vida

Outro vídeo que gostaria de compartilhar é outro de Joey e Dawson (sempre torci por eles...chora:(...) com a música  I´ll Stand by you que é simplesmente de matar o coração, dos apaixonados então????

Por que você está tão triste?
Com lágrimas nos olhos
Venha ficar comigo agora
Não tenha vergonha de chorar
Deixe eu ver você por dentro
Pois já vi o lado negro também
Quando a noite cair sobre você
E você não souber o que fazer
Nada que você confesse
Pode fazer com que eu te ame menos
Eu ficarei ao seu lado
Eu ficarei ao seu lado
Jamais deixarei alguém te ferir
Eu ficarei ao seu lado

E para não esquecer, um vídeo do casal que realmente deu certo e que ficaram juntos no final, Pacey e Joey. Não posso negar, tiveram química. Embalados ao som da música Kiss me.

Beije-me sob o crepúsculo
Leve-me pra fora, no chão iluminado pela lua
Levante sua mão aberta
Faça a banda tocar e faça os vaga-lumes dançarem
A lua prateada está brilhando
Então, me beije

E é isso, alguém já assistiu essa série? Com quem você queria que Joey terminasse no final? Aliás, aprovam o final da série?

Até a próxima!

O vento me disse...#05 - A Seleção - Kiera Cass



Livro: A Seleção
Autor (a): Kiera Cass
Número de páginas: 368
Editora: Seguinte
Ano: 2012
Skoob: aqui
Compre: aqui
Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.
Boa noite leitores, hoje quero falar sobre esse livro que muitos já devem ter ouvido falar, leiam o que escrevi sobre ele e depois lá para o final, vamos debater sobre o questionamento que faço sobre o mesmo. Vamos lá?!

A seleção é um livro de ficção juvenil lançado pela Seguinte no ano de 2012. Inicialmente, era para ser uma trilogia, entretanto, foi anunciado o lançamento do quarto volume da autora Kiera Cass para maio de 2015.

A história é narrada sobre o ponto de vista da protagonista, America Singer, que vive num futuro Estado Unidos denominado de país de Illéa. Neste país, a sociedade é dividida em castas- quem é o nível um é a casta mais elevada e o oito é a mais pobre. E uma das maneiras das meninas mudarem de casta é através de uma seleção, onde o príncipe de Illéa deve escolher uma entre trinta e cinco garotas (de todas as castas) para se tornar a nova princesa.  

America sempre foi reticente em participar da Seleção, primeiro porque ela não se considerava como as outras meninas, segundo que não queria ficar longe da família e terceiro (e mais importante) é que mantinha ás escondidas, um relacionamento com Jaspen, um rapaz de casta seis, ou seja, uma a menos que a dela.

Depois de muita insistência tanto da mãe e até mesmo de Jaspen, America participa do processo de seleção sem nenhuma esperança de ser uma das escolhidas. Entretanto, o que ela menos esperava acaba acontecendo. Ela é uma das trinta e cinco garotas.

Antes de entrar para a seleção ela tinha o pensando de que o príncipe Maxon nada mais era do que um cara mimado e prepotente, o que acaba sendo ao contrário. Quando ela conhece o mesmo, acaba enxergando uma pessoa de bom coração, leal, super carinhoso e simpático.  

De cara, eles acabam formando uma aliança que em pouco tempo se transforma em uma bela amizade. E lá para o meio da seleção, America acaba se questionando que talvez não fosse tão ruim assim ser a nova princesa de Illéa. Para tanto, ela terá que decidir o que quer: ficar com seu primeiro amor, Jaspen (que acaba indo trabalhar no castelo como um dos soldados) ou ficar com o príncipe, Maxon, e enfrentar uma sociedade que prega um sistema da qual ela não concorda e que encara constantemente invasões de rebeldes contra o governo.
"Um sorriso tranquilo nasceu no meu rosto e no dele. Nossa amizade -se é que podíamos chamar assim- era estranha e cheia de furos, mas pelo menos era honesta".

Quando li o livro em meados de 2013, estava em busca de uma leitura que meio que saísse do habitual que eu costumava ler. Acho que foi uma das primeiras distopias que li e quer saber? Não me arrependi.  

A história apesar de ser direcionada para o publico juvenil é bem interessante. Pois tem um romance (que gosto...hehe) com direito a um triângulo amoroso, onde cada um dos rapazes tem chances. Mostra como é o dia das meninas que de concorrentes também acabam fazendo amizades. Sem falar que o livro mostra uma sociedade diferente da que estamos acostumados (ou não, pois será mesmo que no Brasil não existe um sistema de “castas”? Sendo de uma forma mais ‘abrasileirada’??? Será???).

Tudo isso são elementos que me fizeram realmente admirar o trabalho da Kiera e ficar ansiosa pra ler o segundo livro, A Elite (que logo irei falar por aqui). Ela soube fazer uma trama muito bem elaborada, fazendo com que a gente torcesse pra que tudo desse certo, ao tempo que ficamos ansiosas pra ler a continuação. E foi isso que fiz assim que tive a oportunidade.

Enfim, é uma leitura que recomendo. E se você não gosta de distopias mais gosta de um romance e tal, pode arriscar. Você vai ter uma boa leitura na sua estante, que além de tudo o que citei, tem uma diagramação simples mais eficiente e uma capa que é linda.

"Essa era a verdade, no fim das contas. Ainda não sabia o que queria, mas não podia me deixar levar pelo mais fácil ou por aquilo que os outros achavam certo. Só precisava de tempo até decidir o que era melhor para mim".

Pergunta de discussão: Durante a resenha fiz um questionamento, onde perpetrei uma possível alusão entre o sistema de castas de Illéa e o estado brasileiro. Para vocês, existe alguma semelhança, quais seriam? Vocês concordam comigo?


E é isso, até a próxima!!!!