O Vento me disse... #86 - É Assim que acaba - Colleen Hoover

by - 16:25

 
É Assim que acaba
Autora: Colleen Hoover
N° de páginas: 368
Editora: Galera Record
Ano: 2018
Skoob: Aqui
Compre: Aqui

Um romance sobre a força necessária para fazer as escolhas corretas nas situações mais difíceis. Da autora das séries Slammed e Hopeless.

Lily nem sempre teve uma vida fácil, mas isso nunca a impediu de trabalhar arduamente para conquistar a vida tão sonhada. Ela percorreu um longo caminho desde a infância, em uma cidadezinha no Maine: se formou em marketing, mudou para Boston e abriu a própria loja. Então, quando se sente atraída por um lindo neurocirurgião chamado Ryle Kincaid, tudo parece perfeito demais para ser verdade. Ryle é confiante, teimoso, talvez até um pouco arrogante. Ele também é sensível, brilhante e se sente atraído por Lily. Porém, sua grande aversão a relacionamentos é perturbadora. Além de estar sobrecarregada com as questões sobre seu novo relacionamento, Lily não consegue tirar Atlas Corrigan da cabeça — seu primeiro amor e a ligação com o passado que ela deixou para trás. Ele era seu protetor, alguém com quem tinha grande afinidade. Quando Atlas reaparece de repente, tudo que Lily construiu com Ryle fica em risco. Com um livro ousado e extremamente pessoal, Colleen Hoover conta uma história arrasadora, mas também inovadora, que não tem medo de discutir temas como abuso e violência doméstica. Uma narrativa inesquecível sobre um amor que custa caro demais.



   Eu ainda não sei bem como começar isso aqui. Fui atingida em cheio por uma história tocante, sensível e especial que somente Colleen Hoover poderia fazer. É assim que acaba, lançado no Brasil pela Editora Galera Record, é um livro que desperta um misto de emoções; senti amor, raiva, tesão, ódio... Amei o fato de ver que pessoas boas ainda existem e que com persistência podemos alcançar nossos sonhos, fiquei com raiva por ver que tem gente que não se controla e deixa o seu pior vir à tona, tive tesão em ver um enredo que apresenta um casal que apesar de tudo se ama e se deseja e ódio por saber que as coisas nem sempre são como a gente quer.

   É assim que acaba nos leva ao mundo de Lily, uma jovem mulher que apesar de ter crescido em um ambiente tóxico nunca deixou de lutar por aquilo que acreditava. Foi assim quando ela conheceu Atlas no passado e foi assim quando decidiu abrir o seu próprio negócio em Boston, EUA. 
Abrir uma floricultura não é fácil e saber que o carinha desconhecido que ela encontrou há uns meses em cima de um telhado quando ainda refletia a perda  do pai e que quase a fez ir contra o que ela achava ser certo, era o irmão da sua única funcionária, foi uma surpresa não tão boa para ela. Afinal, Ryle tinha o pacote completo (bonito, inteligente, gente boa e com uma carreira na medicina bem promissora) e não seria difícil se apaixonar por ele - o que  não seria um problema se ele não tivesse uma certa aversão a relacionamentos. 

  O fato é que a atração entre eles é imediata e logo os dois estão embarcando em um relacionamento que inicialmente é mil maravilhas. Algo que ao longo do tempo vai se modificando e que só piora com o aparecimento de Atlas, o grande amor da juventude de Lily. É nesse momento que vamos ver as tentativas da protagonista em quebrar o padrão que normalmente ocorre quando se estar preso a um relacionamento abusivo. 

   Com a narrativa da trama em primeira pessoa, intercalada entre passado e presente, o leitor vai conhecer a Lily na fase adulta e na adolescência, quando ela escrevia em um diário suas angústias juvenis. É com esse tipo de narrativa, típico da autora, que vamos encontrar um amor super fofo que desperta o nosso lado mais romântico e saudoso, e vamos nos deparar com a crua realidade que muitas mulheres vivenciam atualmente.

"Lily - diz ele, enfaticamente. - Não existe isso de pessoas ruins. Todos nós somos humanos e, as vezes, fazemos coisas ruins."

   Desse modo, apesar de todo o romance, este livro da Colleen se destaca por nos proporcionar  o exercício da empatia com as mulheres que sofrem com violência doméstica. Afinal, quantas vezes não nos pegamos julgando mais a mulher do que o agressor? Fazendo questionamentos: - Como essa mulher fica com esse cara? É falta de amor próprio, ela é pior do que ele... enfim, frases machistas que não representam as particularidades de cada situação e que mostram que o ser humano ainda tem que evoluir bastante. 

   Este livro veio também para mostrar como é complicado romper com esse ciclo da violência, inclusive para o próprio abusador. Para vocês terem uma noção, eu terminei a leitura e não senti ódio pelo Ryle, por mais idiota que ele tenha sido. Meus sentimentos perpassaram a incredulidade, revolta... pena! Pena é a palavra certa, pena por tudo ter acontecido como foi. E que fique claro que não estou justificando e passando a mão na cabeça dele, não!, ele foi errado e o final foi mais do que justo. É só que... sabe quando você fica com a sensação de que tudo poderia ser diferente, que uma história seria outra se o "se..." fosse mais como a gente sonha e não como muitas vezes realmente é? 

   Por fim, eu poderia falar muito mais sobre o quanto eu gostei da maneira como a autora usou de uma experiência real e pessoal para dar vida a esses personagens (leiam a nota da autora, por favor), o quanto desejei que existisse mais "Atlas's" nesse mundo (que são gratos e pensam no melhor daqueles que amam) e mais "Allysa's" (melhor pessoa pra se ter de amiga), e o quanto eu gostaria que mais "Lily's" pudessem sair dos relacionamentos que as fazem mal e realizassem os seus sonhos. Nunca é tarde para tentar... saibam disso!

"Ás vezes você faz coisas que sabe que são erradas, mas que, de alguma maneira, também são certas? Não sei como explicar de forma mais simples."

   É assim que acaba nos traga para um enredo que simplesmente dilacera o coração. É um livro que nos faz refletir sobre o quão complicado é para quem vive em uma relação abusiva e o quão importante é interromper o padrão da violência desde o início. Leitura é entretenimento, mas também é alerta. Por isso fiquem atentas meninas. Leitura recomendadíssima! 



Gostou do post? Confira também!

11 comentários

  1. Oi, Nathalia!
    Adoro a escrita da CoHo e todos os livros que já li dela são sempre um baque emocional.
    Quero muito ler esse, já está na minha lista de desejados.

    Beijos
    Construindo Estante || Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você vai amar. A escrita dela é muito envolvente.

      Bju

      Excluir
  2. Olá, tudo bem? Só li um livro da autora, mas pretendo ler todos dela. Esse livro parece ser incrível, com uma carga emocional de arrepiar, sem dúvidas preciso ler. Amei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Oi Nathalia, tudo bom?
    Que resenha incrível, gostei muito! Acabei de comprar um livro da autora, só estou esperando chegar. Espero ler todas e sua resenha só me certifica mais de que não me arrependerei.
    Beijos
    https://blog-apaixonadaporpalavras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oie...
    Eu sou muuuito fã da Colleen Hoover, porém, ainda não li esse volume, o que é uma pena, pois, já vi vários leitores nomearem esse livro como o melhor da autora!
    Sempre me emociono muito com livros que falam sobre violencia contra a mulher e tenho certeza que com esse não vai ser diferente.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Aff meu deus só de lembrar desse livro eu sofro horrores! Pra mim ele é o melhor livro que a Colleen vai escrever NA VIDA INTEIRA DELA!!!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Rumo aos 4K no instagram

    ResponderExcluir
  6. Nathalia!
    Não imagino o que seja o relacionamento dos pais ruir, porque os meus viveram até que um deles morreu, mas deve ser bem doloroso, principalmente para quem acompanha isso desde a infância.
    Imagino que a narrativa seja contagiante mesmo, porque a autora tem o om de emocionar o leitor.
    Deve ser um livro intenso, porque o tema é sério e acaba vivendo a mesma coisa vivida pela mãe, difícil compreender, né?
    É verdade, o assunto deve mesmo ser discutido com muita intensidade, mas sinceramente, ele pode ser bom em tudo, mas não dá para conviver com relacionamento desse tipo, é minha opinião, mas entendo quem se envolve dessa forma e não julgo.
    Quero muito ler.
    cheirinhos
    Rudy
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?

    Eu ainda não li os livros da Colleen, você acredita? Hoje mesmo estava lendo uma resenha de um livro dela em outro blog e estava falando sobre isso. Parabéns pela resenha, ficou muito boa! Dica anotada!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Esse foi um dos melhores livros que li em 2019! Amei a forma como a autora abordou a obra e deu um lado ao agressor que muitas histórias não dão!
    Óbvio que eu não concordo, pois na minha opinião NADA justifica uma agressão, mas gostei de ver o ponto de vista da autora sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem?
    Quero muuuito ler esse livro da CoHo, parece bem forte! É uma temática necessária!
    Até agora li 3 livros dela só, hahah
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Nossa, toda vez que vejo uma resenha da CoHo eu preciso confessar que ainda não li nada dela. Maaasss, isso está para mudar. Eu prometi a minhas amigas que leria Verity em janeiro. E como o mês ainda não acabo... hehehhee
    Eu conheço muito a fama da autora e sua qualidade em suas histórias. Espero poder ter mais a dizer sobre outras obras suas daqui em diante. Parabéns pelo post. Beijocas

    Carol, do Coisas de Mineira

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo seu comentário. É muito bom ver você por aqui.