O Vento me disse...#62 - Cilada para um marquês - Sarah MacLean


Cilada para um marquês
Autora: Sarah MacLean
N° de páginas: 320
Editora: Gutenberg
Ano: 2016
Série: Escândalos e Canalhas
Skoob: Aqui
Sophie Talbot é conhecida pela Sociedade como uma das Irmãs Perigosas – mulheres Talbot que fazem de tudo para se arranjar com algum aristocrata. O apelido chega a ser engraçado, pois se existe algo que Sophie abomina é a aristocracia. Mas parece que mesmo não sendo uma irmã tão perigosa assim, o perigo a persegue por todos os lugares. Quando a mais “desinteressante” das irmãs Talbot se torna o centro de um escândalo, ela decide que chegou a hora de partir de Londres e voltar para o interior, onde vivia antes de seu pai conquistar um título. Em Mossband, ela pretende abrir sua própria livraria e encontrar Robbie, um jovem que não vê há mais de uma década, mas que jura estar esperando por ela. No entanto, ao fugir de Londres, seu destino cruza com o de Rei, o Marquês de Eversley e futuro Duque de Lyne, um homem com a fama de dissolver noivados e arruinar as damas da Sociedade. Rei está a caminho de Cumbria para visitar o odioso pai à beira da morte e tomar posse de seu ducado. Tudo o que ele menos precisava era de uma Irmã Perigosa em seu encalço. O Marquês de Eversley está convicto de que Lady Sophie Talbot invadiu sua carruagem para forçá-lo a se casar com ela e conquistar um título de futura duquesa. Já Sophie tenta provar que não se casaria com ele nem que fosse o último homem da cristandade. Mas e quando o perigo tem olhos verdes, cabelos claros e a língua afiada? Essa viagem será mais longa do que eles imaginavam…
Quem me conhece um pouco e acompanha o blog sabe a minha paixão pelos romances de época. Acredito que sabendo disso devem saber também que duas autoras são especiais para mim, Jane Austen e Julia Quinn. Por isso, devo começar apontando que Sarah MacLean definitivamente entrou para o meu top e se tornou especial para mim, ainda mais depois que li Cilada para um marquês - edição lançada pela Editora Gutenberg em 2016. Ela já tinha me encantado em Nove regras a ignorar antes de se apaixonar e Nunca julgue uma dama pela aparência, agora, só foi a confirmação. Para mim ela é uma das melhores autoras atuais de romance de época.

A principal causa que me fez amar às histórias da Sarah é a maneira como ela as desenvolve; sempre recheadas de romance, pitadas de humor ácido, doses picantes em algumas cenas e personagens femininos sempre à frente do seu tempo. Neste volume ela trás novamente todos esses elementos e escreve - mais uma vez - uma ótima história para os amantes de livros românticos de época.
Depois que Jack Talbot se tornou Conde de Wight e toda Londres direcionou sua atenção e seu desdém para aquela família rude, sem refinamento, sem sofisticação aristocrática, os escândalos grudavam nos Talbot e assim permaneciam. Que a fortuna recém-formada do conde viesse do carvão, facilitava as piadas — as irmãs eram chamadas de “As Cinderelas Borralheiras“, e Sophie imaginava que os outros deviam considerar o som daquilo muito espirituoso, visto que os nomes delas eram, pela ordem, Seraphina, Sesily, Seleste, Seline e Sophie.
A trama gira em torno de Sophie, a filha mais nova entre as cinco irmãs Talbot (apelidadas de irmãs perigosas), que sempre estão envoltas em escândalos por possuírem personalidades, no minimo, extravagantes em relação aos membros da sociedade londrina do século XIX. Aliado a isso, é notório para todos que a sociedade só "aceita" a família Talbot por causa do pai das meninas que conseguiu um titulo de nobreza nas cartas e por sua grande riqueza adquirida das minas do carvão. Sophie, é considerada a mais "sem graça" de todas elas pois não possui a beleza das irmãs e não é tão talentosa e extravagante, apesar disso, ela apresenta uma força de espirito que simplesmente encanta e que a faz negar e odiar tudo aquilo que sua mãe e irmãs tanto adoram.  

Cansada de viver em um mundo de aparências e que nunca irá aceitá-la, a mesma decide voltar ao seu antigo lar, aquele em que foi "obrigada" a deixar e que apesar de simples era cheio de felicidade. O problema era que ela não avisou a ninguém e em sua fuga acabou encontrando e dependendo do arrogante - terrivelmente libertino e canalha - Rei, Marquês de Eversley e futuro duque de Lyne.
Só que ela não o traiu. Ela teria feito qualquer coisa para ficar com ele ali, no centro daquele labirinto impossível. Para sempre.
Uma das coisas que mais me diverte neste enredo são as discussões entre a Sophie e o Rei, que são personagens com personalidades bem opostas, e que de sua maneira se completam. Definitivamente, o envolvimento dos dois é o ponto chave da trama (com direito a cenas bem, mais bem sensuais). Falando nos protagonistas tenho que destacar a Sophia, amei conhecê-la: seus desejos pela liberdade, pela vida mais simples e verdadeira, pelo seus sonhos (ter uma livraria para ser mais especifica) e seus medos e inseguranças. Enfim, fazia muito tempo que não me encantava e se identificava dessa forma com uma personagem feminina em um livro.

As criticas feitas aos costumes e a aristocracia da época também foram muito bem usadas pela autora, muitas delas aliás, foram empregadas com humor e me fizeram colocar um sorriso "besta" no rosto. Sobre o lado negativo, acredito que o único problema da trama, que é narrada em terceira pessoa, seja o seu final previsível, seguindo os clichês comuns já esperados em tramas do tipo e que corroborou para um final um pouco "apressado". Claro que isso não foi um grande problema para mim e tão pouco apaga a qualidade da história, mas, acho que isso pode ser um problema para algumas pessoas.

Sobre a edição física ela é simples e bem caprichada. A mesma teve sua diagramação inspirada em jornais da época e não lembro de ver erros graves de tradução e edição. Por hora, deixo os meus parabéns a editora pela capa, uma das mais bonitas que já vi entre os romances de época já lançados no Brasil.

Por fim, foi um prazer acompanhar essa história que é a primeiro volume da Série Escândalos e Canalhas. E não vejo a hora de ler o restante dos livros da Sarah, ela realmente sabe envolver o leitor e por isso não poderia deixar de indicar a leitura para aqueles que amam romances do gênero ou que queiram começar nesta aventura e não sabe por onde.

Lembre-se: não quero te encher de expectativas pois quando acontece isso, o livro na maioria das vezes perde o encanto. Mais fica aqui, minha recomendação de uma aventura romântica e divertida de se acompanhar.
Quando os jornais de fofocas noticiassem os eventos daquela tarde, não seria a marquesa vendada a dominar as manchetes. Na verdade, seria o marquês profundamente apaixonado que, em um surto de adoração desenfreada, deixou o decoro de lado e beijou a esposa em plena luz do dia, na entrada de uma nova livraria em plena St. James.
Série Escândalos e Canalhas/II e III ainda não foram lançados no Brasil

4 comentários :

  1. Oi Nathália, adorei sua resenha!
    Eu sou doida pra ler um dos livros dessa autora, td mundo fala tão bem dela, acho que vou gostar bastante tbm *-*
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, que bom que gostou da resenha. O livro realmente é bom, espero que você tenha a oportunidade de conhecer os trabalhos da Sarah.

      Beijos

      Excluir
  2. Oi Nathalia! Eu adoro esse livro, aliás eu amo as histórias da sarah maclean <3 Sophie e Rei são explosivos e dei boas risadas com os dois! Amei a indicação!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Olá Nathalia, tudo bem?
    A Sarah é uma das minhas autoras favoritas! Fiquei feliz em saber que você gostou. Recomendo a outra série dela também, que agora esqueci o nome...hahaha.
    Eu amei esse livro, só nao curti tanto porque achei que a protagonista se menosprezava demais... :(
    Beijos!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Uma das coisas que mais incentiva uma blogueira é saber o que estão pensando sobre o seu trabalho. Por isso seu comentário é IMPORTANTE. É com ele que vou saber se estou indo pelo caminho certo. Criticas positivas? são mais que aceitas. Criticas negativas? também, só peço que seja feita com respeito. Esse é um espaço para trocar ideias e espero ver você por aqui.