Estantes de livros criativas #09



Oi leitores, como estão? Espero que bem. Primeiramente, gostaria de dizer que logo as coisas vão voltar ao normal (se pararem para notar vão ver que não estou postando muito né?). Só quero que saibam que estou preparando super novidades para o mês de outubro que está logo ai. 

Enfim, hoje o post vai ser bem rápido, vim mostrar para vocês um modelo de estante que ao meu ver é bem bacana e super criativa, pena que é bem difícil de ser colocado em prática né? kkk


E então, o que acharam? Concordam comigo ou não? Prometo que na próxima vez tentarei encontrar um modelo mais fácil de ser copiado por nós simples "mortais". kkk

Até a próxima!

Mais que Literatura... - Plágio na "blogosfera"




Oiiii gente, hoje venho falar de um assunto que permeia a blogosfera a muito tempo e que dificilmente deixará de existir nesse meio em que vivemos. Estou falando do plágio. Antes de começar a falar mais sobre minhas experiências, vamos ver o que o dicionário Aurélio nos diz sobre ele:


Definição de plágio:

1. ato ou efeito de plagiar;
2. jur apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra, intelectual etc. Produzido por outrem. Origem da palavra: vem do grego 'plagios' que significa; 'trapaceiro', 'oblíquo'.

Agora que você sabe o que é plágio vamos a uma definição mais informal, segundo o site projetoescolalegal.org.br o plágio é: 

"...mais uma modalidade de violação dos direitos autorais. Ele é caracterizado pelo ato de assinar ou apresentar uma obra intelectual de qualquer natureza (texto, música, fotografia, obras audiovisual e de artes, etc) contendo partes de uma obra que pertença a outra pessoa sem colocar os créditos para o autor original. Funciona como uma “cola”, onde alguém assina ou apresenta como sua uma obra que, na verdade, é de outra pessoa". (trecho retirado do site, datado de 26/02/2010)

Para você que leu e mesmo assim ainda não conseguiu assimilar, trazendo para a blogosfera literária, o plágio nada mais é do que você ver uma resenha de um blogueiro e fazer outra resenha com as mesmas palavras dele, é o tão famoso Ctrl C + Ctrl V. Se você é blogueiro deve saber que não é fácil fazer uma resenha ou um outro post qualquer, sabe que você, as vezes, passa horas pensando, elaborando e criando um material que você ache bom e bacana de ser compartilhado e faz isso com um maior carinho. Ai pense comigo, um belo dia você se depara com uma resenha e começa a ler, logo depois fica: ops, já li isso em algum lugar... quando vai conferir... epaaaa! Surpresaaaaaaaa! A resenha é igual a sua, só muda uma ou outra palavra e ainda tem coisa pior, que é quando nem mudam nada, nem os eventuais erros ortográficos que você poderia ter deixado escapar. É aquela coisa bem descarada mesmo! 


Eu ainda não pesquisei nada para saber se alguma resenha ou outra coisa que fiz já tenha sido plagiada, para ser sincera, nem quero ir atrás, sei que se achar eu vou ficar bem irritada. No entanto, como passe de mágica pode ser que você encontre algo, assim como eu, né?  


Plagiando Comentários:

Existe também uma modalidade de plágio que nem sempre é comentado ou que se é dado atenção, e que acredito ser muito mais feito do que as da resenha e etc. Estou falando do plágio dos comentários. Eu por exemplo, estava visitando um blog e antes de ir para outro, teve uma postagem que me chamou atenção. Nela a autora falava de um livro que gosto muito e fui olhar a opinião dela sobre o mesmo, li a resenha e quando passei para os comentários, vi o seguinte:

Ler livros de banca também é bom! #09 - Segredos Que Ferem - Penny Jordan




Amor e traição, desejo e mágoa mesclam-se na história de Cláudia Wallace, uma mulher marcada pela impossibilidade de concretizar seu maior sonho: o de ser mãe. Claúdia e Garth vivem em perfeita harmonia e aguardam ansiosamente o primeiro filho. Ela é assistente social e presta auxílio a jovens prostituídas e drogadas. Está trabalhando quando se sente mal; internada às pressas, perde a criança e sofre uma cirurgia que salva-lhe a vida, mas a impede para sempre de ter filhos. Abalada pela tragédia, ela se dedica com afinco redobrado ao trabalho. Tudo se transforma quando uma prostituta à beira da morte entrega a Cláudia a filha recém-nascida. Violando todas as regras, ela registra a criança como sua, para alegria de Garth que finalmente tem uma família completa e feliz. A pequena e doce Tara cresce, assim, num lar harmonioso. Mas o destino lhes prega uma peça: anos depois, um exame raro mostra que Tara é realmente filha de Garth. Confusa e desesperada, Cláudia confronta o marido, que acaba admitindo a verdade. Incapaz de compreender a traição -- e a estranha coincidência -- ela pede o divórcio. Os anos se passam, e Tara cresce ignorando o segredo que separou seus pais. Até que um dia toda a verdade vem à tona, juntamente com o amor por tantos anos enterrado.

Oi gente como vocês estão? Espero que bem. Hoje vim mostrar para vocês o que penso sobre esse livro de banca que merece ser lido. Já sentia falta de falar sobre um livro de banca por aqui. Vamos lá?

Segredos que ferem foi escrito pela Penny Jordan, autora americana bem conhecida no ramo dos livros de banca. Ela não é unânime, tem gente que ama suas histórias e tem quem as odeie. Não posso dizer que gostei de ler todos os livros dela, no entanto, devo apontar que este livro em especifico, me agradou bastante

O livro conta a história de Cláudia e Garth. Os tipos americanos “perfeitos”, ou seja, lindos, educados, que conseguiram crescer economicamente, respeitados pelos membros da sociedade, etc. Durante o tempo  em que foram casados eles foram bastante felizes, só que um segredo acabou com o relacionamento dos dois. Esse segredo apesar de ter os afastado, também os uniram, já que envolve a filha deles.

Tara, filha da Cláudia e do Garth, vai ficar noiva e ao tempo em que fica feliz ela se preocupa com a família do noivo já que são super tradicionais; quando ela fala para mãe que a tia do noivo é capaz de querer saber tudo sobre os seus antepassadosCláudia começa a ficar preocupada já que a Tara não é sua filha e a mesma não sabe. Essa situação vai desencadear uma série de memórias que Cláudia gostaria que estivessem enterradas no passado.

A trama que a Penny criou é narrada principalmente pela Cláudia e intercala as situações vividas pela personagem no presente e no passado. Devo falar, desde já, que o livro tem algumas falhasprincipalmente na falta de cenas que explicassem mais algumas situações e cenas que mostrassem mais a reaproximação dos protagonistas. Sei que o livro não tem o romance como foco mais é que poderia ser mais explorado esse lado no livro. Por outro lado, teve alguns personagens que poderiam ter se dado menos espaço como a própria Tara e o noivo. Além deles, existe a Estelle e o Blade, personagens que apesarem de terem uma história interessantíssima que chegou a super despertar minha curiosidade não acrescentaram em nada ao desenvolvimento da trama (acho que a autora deveria ter criado um livro só pra eles, seria um livro e tanto já que a história deles é bem mais "pesada").

Book Tag: Amor Literário




Oi gente, hoje vim mostrar para vocês a minha resposta a Tag Amor Literário que foi criada pelo blog Angel Elixir mais que encontrei mesmo e traduzi do blog Sueniosypalabras. A ideia dela é que a gente responda perguntas relacionando os livros a um tipo de relação amorosa. Vamos lá!





                                                          Qual foi  seu primeiro amor literário?

Meu amor pelos livros se deu da seguinte forma: comecei pelos clássicos nacionais de escola, passei pelos de banca, pelas fanfics e por fim, os livros de livraria- caminho bem diferente de quem tá na blogosfera né? Então eu decidi eleger dois livros como amores literários, ou seja, um de banca e um de livraria, respectivamente. O primeiro é um livro que amo, que é Paixão Explosiva da Sandra Brown, recentemente a Harlequin lançou uma nova versão e quem quiser conhecer mais é só ver a resenha aqui. E o livro de livraria que me lembro de ler e gostar muito foi Alguém para amar da Judith McNaught. Todos dois são livros de romance, acho que por isso até hoje minha preferencia seja os livros desse tipo. :)


      Um livro que você se apaixonou a primeira vista?

      Já que é a primeira vista, o que nos chama atenção é a estética do livro, ou seja, a capa. E um livro que me apaixonou de cara foi A Seleção da Kiera Cass (resenha aqui). É linda as capas dessa série. :) 
       
       Um livro que você começou a ler com carinho, como a um amigo, e acabou amando?



     Na ilha (resenha aqui) tem uma história bem simples mais que me encantou de uma maneira sem igual, no final eu acabei me apaixonando por esse livro.  A história é lindaaaaa! Recomendo.

       Um livro que você é apaixonada mas não sente amor?


     Amante Indócil da Janet Dailey é um livro bem intenso depois que as coisas realmente se desenrolam, tenho uma paixão enorme por esse livro, no entanto, não tenho aquele amor como tenho por exemplo, com A caricia do vento que é outro livro da autora. 

O Vento me disse...#31 - Doce Triunfo - Judith McNaught



Livro: Doce Triunfo
Autor (a): Judith McNaught
Número de páginas: 352
Editora: Best Seller
Ano: 2000
Skoob: aqui
Katie Connelly é jovem, linda e sofisticada; tem amigos importantes, sucesso na profissão e uma legião de pretendentes. Mas ninguém havia tocado verdadeiramente seu coração até o dia em que Ramon Galverra, um misterioso e másculo motorista de caminhão, a salva das mãos de um admirador exaltado. Katie não imagina que o homem moreno e de sotaque hispânico é na realidade um riquíssimo empresário, que se diverte com seu engano. Ramon deixa que a garota se apaixone perdidamente pelo rústico pobretão que ele finge ser, a fim de testar sua sinceridade. Ao mesmo tempo, ele também se vê seduzido por ela. Sempre sustentando a mentira, o magnata convence Kelly a acompanhá-lo a Porto Rico. Ele a pede em casamento. Mas, antes de unirem-se, ela precisa superar seus preconceitos, aceitar as diferenças e aprender com elas. Precisa revelar um segredo que carrega há anos, enterrando as mágoas no passado para encarar um novo futuro.

Doce Triunfo é obra de uma das autoras mais reconhecidas (e uma das minhas favoritas) em se tratando de livros de romance novel, estou falando da Judith McNaught, quem já leu alguns de seus livro sabe bem o quanto ela arrasa nas suas criações. Entretanto, devo apontar que este livro está longe de ser um dos seus melhores trabalhos, não que ele seja ruim, não é isso. Acredito que ele poderia ser melhorado. Enfim, vamos ao que interessa.


O livro conta a história de uma mulher de 23 anos chamada Katie. Ela tem tudo o que poderia se imaginar, era bonita, muito rica e realizada profissionalmente (com apenas essa idade...jura?). Vivia uma vida de festas e encontros sociais que com o tempo passou a deixá-la entediada. Numa dessas festas ela acaba conhecendo Ramon, um cara porto-riquenho que a salva de um cara que ela tinha saído e não queria saber mais dele. Katie depois de ser "salva" por Ramon permite ser acompanhada por ele até sua casa, mesmo confundindo ele como "apenas" um motorista.

Em menos de uma semana os dois começam um envolvimento e Ramon logo percebe que Katie era a mulher da sua vida. E faz de tudo para que ela aceite se casar com ele e vá morar em Porto Rico. O que ele não conta a ela é que ele não é um motorista, na verdade, o mesmo era um empresário (prestes a falir, é verdade. Mais não deixa de ser empresário...kkk). Enfim, depois dele super insistir ela acaba aceitando ir com ele (mesmo que ela fique com um pé atrás, já que fora casada uma vez e tinha sofrido bastante com esse casamento). Então, acho que já dá para vocês se ambientarem um pouco com relação à trama. Agora, devo explicar o porque da minha afirmação no primeiro parágrafo.  

Resultado: Promoção de Aniversário do blog Construindo Estante




Oiiiii gente, hoje vim falar quem foi os sortudos que ganharam na promoção de aniversário do blog Construindo Estante, sem mais delongas, confira se você foi um dos vencedores:




a Rafflecopter giveaway

Sou noveleira #06 - Soy Tu Dueña (A Dona)




Como vocês devem ter percebido, gosto muito de assistir novelas mexicanas e uma que já tinha visto em espanhol e estou podendo acompanhar dublada aqui no Brasil pelo SBT é a novela Soy Tu Dueña, ou simplesmente, A Dona. A novela é protagonizada pela Lucero e pelo Fernando Colunga, tendo como antagonistas a Gabriela Spanic e o Sergio Goyri. A novela foi realizada pela Televisa em 2010 pelo produtor Nicandro Díaz e se tornou um grande sucesso naquele ano no México.

A história tem inicio- lento-onde nos é apresentado a Valentina Villalba, uma tipica mocinha que estamos acostumados a ver em novelas mexicanas quando estas não são pobres e "descabeladas", ou seja, a Valentina é milionária, bonita, boa e órfã. Ela perdeu os pais em um acidente ainda quando era criança e foi criada pela tia Isabel que tem uma filha chamada Ivana.  Valentina era noiva de Alonso (David Zapeda) e durante os primeiros capítulos da novela observamos a preparação desse casamento. 

No entanto, Valentina acaba sendo abandonada pelo noivo que tinha um caso com a Ivana - que sempre sentiu inveja da prima por ela ser rica. Por algumas coisas que não vou explicar aqui ele tem que fugir do país e por isso acaba deixando a Valentina, mesmo que de última hora ele tinha percebido que não sentia nada mais do que atração pela Ivana e que amava a Valentina de verdade. 

Depois de ser abandona no altar, a Valentina se torna uma mulher implacável e amargurada que decide ir morar na fazenda que seus pais moravam. Na fazenda "Los Cascaveles" (ou os caracóis aqui no Brasil), ela encontra muitos conflitos, seja com o capataz, com a população do povoado, com a Ivana que vai morar na fazenda e que pretende atrapalhar a vida dela e o mais importante, ela luta consigo mesma. Já que ela prometeu não confiar nos homens novamente, no entanto, a mesma acaba encontrando e se apaixonando por José Miguel Montesinos, um homem bom que vai fazer de tudo para mostrar a ela que amar vale a pena. 

Remake de La Dueña (1995) Soy Tú Dueña é uma novela muito bem amarrada, com personagens marcantes e com um time de atores de primeira linha. Uma das coisas que mais geraram atenção para a trama foi o fato da volta da atriz Gabriela Spanic ao mundo das telenovelas no México, ainda mais que ela compartia- por mais que não fossem um casal- créditos com o Fernando Colunga, com quem trabalhou na tão conhecida "La Usurpadora". A Gaby criou um personagem bem exagerado (tanto pelo seu aspecto físico e sua vestimenta nada condizente com o ambiente) que acabou agradando bastante- confesso que ri dela mais do que a odiei. kkk 

Estantes de livros criativas #08





O Estantes de livros criativas de hoje é uma que eu achei bem diferente. Para ser sincera, eu não teria uma dessas, confesso que não gostei muito do modelo. Mesmo assim, não dá pra negar que quem fez ela estava bem inspirado. kkkk


Enfim, concordam comigo? Ou pensam de maneira diferente? Espero a opinião de vocês hein?
Até a próxima pessoal!!!
:)

O Vento me disse..#30 - A Morte de Saraí - J. A. Redmerski



A Morte de Sarai
Autor(a): J.A. Redmerski
N° de páginas: 255
Editora: Suma de Letras
Ano: 2015
Série: Na Companhia dos Assassinos
Skoob: aqui
Compre:aqui
Sarai era uma típica adolescente americana: tinha o sonho de terminar o ensino médio e conseguir uma bolsa em alguma universidade. Mas com apenas 14 anos foi levada pela mãe para viver no México, ao lado de Javier, um poderoso traficante de drogas e mulheres. Ele se apaixonou pela garota e, desde a morte da mãe dela, a mantém em cativeiro. Apesar de não sofrer maus-tratos, Sarai convive com meninas que não têm a mesma sorte. Depois de nove anos trancada ali, no meio do deserto, ela praticamente esqueceu como é ter uma vida normal, mas nunca desistiu da ideia de escapar. Victor é um assassino de aluguel que, como Sarai, conviveu com morte e violência desde novo: foi treinado para matar a sangue frio. Quando ele chega à fortaleza para negociar um serviço, a jovem o vê como sua única oportunidade de fugir. Mas Victor é diferente dos outros homens que Sarai conheceu; parece inútil tentar ameaçá-lo ou seduzi-lo. Em “A morte de Sarai”, primeiro volume da série Na Companhia de Assassinos, quando as circunstâncias tomam um rumo inesperado, os dois são obrigados a questionar tudo em que pensavam acreditar. Dedicado a ajudar a garota a recuperar sua liberdade, Victor se descobre disposto a arriscar tudo para salvá-la. E Sarai não entende por que sua vontade de ser livre de repente dá lugar ao desejo de se prender àquele homem misterioso para sempre.

A Morte de Sarai é o primeiro volume da série "Na Companhia dos assassinos" que conta com um total de quatro livros e foi escrito pela J.A. Redmerski, mesma autora que escreveu o best-seller "Entre o agora e o nunca" que fez bastante sucesso aqui no Brasil. De cara, aviso aos navegantes que o livro é bem denso, tem sangue, assassinato, intrigas e mentiras. Então, se você não gosta disso acho que esse livro não é uma boa opção de leitura, mas, se você gosta ou não tem nada contra e quer conhecer um livro que foge do habitual que vemos por ai (opinião minha, claro) tenho certeza que esse livro vai te agradar. 

O que diferencia A Morte de Sarai de outros livros é que os protagonistas não são "santinhos", eles tem suas culpas, medos, responsabilidades... eles são cientes do quão errados estão e do quão "podre" é o meio em que os rodeia, no entanto, nem isso é capaz de os fazerem mudar de lado. O livro nos mostra um mundo "cruel" que até sabemos que existe mais por diversas vezes fingimos não acreditar. Se você se interessou e quer saber mais sobre o livro, te convido a continuar lendo e venha saber o que penso sobre este livro que foi lançado este ano pela Suma de Letras aqui no Brasil.

Sarai nunca teve uma vida fácil, aos 14 anos sua mãe viciada em drogas acabou entregando ela para um traficante mexicano, o nome dele é Javier. Este apesar de ter sido cruel e cometer muitas atrocidades com ela, a tratava de uma forma diferente do que as outras meninas que também tinham sido aprisionadas. Isso só foi possível pois ao longo dos anos em que Sarai esteve no cativeiro, ela aprendeu que a melhor forma de sobreviver aquele inferno era se submeter as ordens desse tirano.