O Vento me disse... #83 - O Príncipe corvo - Elizabeth Hoyt

by - 12:30


O Príncipe Corvo
Autora: Elizabeth  Hoyt
N° de páginas: 350
Editora: Record
Trilogia:  Dos Príncipes  #01
Ano: 2017
Skoob: Aqui
Compre: Aqui
Ao descobrir que o conde de Swartingham visita um bordel para atender suas “necessidades masculinas”, Anna Wren decide satisfazer seus desejos femininos... com o conde como seu amante Chega uma hora na vida de uma dama... Anna Wren está tendo um dia difícil. Depois de quase ser atropelada por um cavaleiro arrogante, ela volta para casa e descobre que as finanças da família, que não iam bem desde a morte do marido, estão em situação difícil. Em que ela deve fazer o inimaginável... O conde de Swartingham não sabe o que fazer depois que dois secretários vão embora na calada da noite. Edward de Raaf precisa de alguém que consiga lidar com seu mau humor e comportamento rude. E encontrar um emprego. Quando Anna começa a trabalhar para o conde, parece que ambos resolveram seus problemas. Então ela descobre que ele planeja visitar o mais famoso bordel em Londres para atender a suas necessidades “masculinas”. Ora! Anna fica furiosa — e decide satisfazer seus desejos femininos… com o conde como seu desavisado amante.

   O Príncipe corvo é uma obra da autora Elizabeth Hoyt que no Brasil foi lançado pela Editora Record, a trama é o primeiro volume da trilogia dos príncipes - que possuem histórias diferentes e podem ser lidos separadamente e em ordens diferentes -, e apresenta um romance de época adulto bem sensual.

"Por que os homens acham que dizer algo em tom de voz mais alto o torna verdadeiro?"
    
Anna Wren é uma jovem viúva que ficou responsável pelas finanças da família depois da morte do marido, ao ver a mesma se esvaindo ela sente a necessidade de procurar um trabalho. É quando ela acaba indo trabalhar para o conde de Swartingham, Edward Raaf. O conde não é uma pessoa fácil de lidar e tem um gênio que faz todos os seus secretários irem embora assim que a primeira oportunidade aparece, quando ele encontra Anna como sua nova empregada, apesar do estranhamento inicial por ela ser uma mulher, ele percebe que ela não é como os outros.

    Com uma personalidade forte, Anna enfrenta o conde de cabeça erguida e ao perceber que o seu corpo também o deseja, decide fazer algo. Edward frequenta um bordel em Londres para satisfazer suas necessidades e ao descobrir isso, Anna decide ir ao seu encontro e satisfazer também as suas necessidades com ele - sem que ele saiba de fato quem ela é. Assim, os dois se relacionam e esse torna-se um segredo que pode prejudicar Anna profundamente, tanto por parte da sociedade como do próprio conde que de certa forma foi enganado por ela.

    Definitivamente o que mais gostei neste história de Hoyt foi o fato da autora criar uma personagem que percebeu suas necessidades e que da sua maneira, lutou para satisfazê-las. Anna não ficou esperando que o conde a cortejasse e isso é um diferencial nesse tipo de livro. Muitas vezes me peguei pensando o quanto devia ser ruim viver em uma época que se exigia o máximo de decoro para a mulher e o mínimo para o homem, ainda hoje é assim, mas quando paramos para analisar vemos que muita coisa mudou.
Já o mocinho, o que eu gostei foi perceber que apesar dela ser considerada inferior, ele a respeitou e de modo geral, acho que ele não foi daqueles protagonistas "ogros" que mais parecem vilões que mocinhos.

"Sua vida sempre havia sido restrita assim, com seus limites tão estreitos que às vezes parecia uma corda bamba? Será que ela nada mais era do que sua posição na sociedade?"

    A narrativa é em terceira pessoa e está dividida entre os protagonistas e alguns personagens, que narram de maneira breve e aparecem em momentos que são necessários para o desenvolvimento de algumas situações. Uma coisa que eu gostei foi os inícios de capítulos começarem com uma fábula contando a história do Príncipe corvo, e essa história meio que podia ser associada ao momento em que se passava à trama.

    Como o livro apesar de ser de época é voltado para um público mais adulto, possui cenas eróticas mais explicitas do que em outros livros do gênero, isso foi uma escolha da autora e que ao meu ver foi um trabalho bem feito. Acho que a única coisa que eu encaro como ponto negativo na trama foi a maneira como a autora desenvolveu algumas situações. Por exemplo: quando o conde descobre que foi enganado pela mocinha, ele ficou super bravo, eu pensei que ele iria demorar um pouco mais de tempo para perdoar, mas não, ele logo vai atrás dela e quer porque quer se casar com ela.  Depois acontece algumas coisas que tornam esse finalzinho da trama mais do mesmo. Sei lá, confesso para você que esperava mais do final, acho que pela capa e pelo que o enredo inicialmente apresentou, eu criei uma expectativa para um final mais cru, mais realista e menos doce.

"Como era empolgante falar  o que pensava sem se importar com a opinião de um homem!"

   O Príncipe Corvo tem em sua essência um enredo que poderia seguir uma curva diferenciada desse gênero, pois a autora Elizabeth Hoyt criou protagonistas com personalidades bem expressivas. Ela conseguiu isso até perto do final, quando ela decidiu seguir para o lado mais romântico da coisa e seguiu a linha previsível do gênero. Não foi uma escolha ruim, visto que a trama continuou boa, mas definitivamente sua escolha não permitiu que a trama se tornasse "única".  



Gostou do post? Confira também!

1 comentários

  1. Oi, Nathalia!

    Não conhecia o livro ainda, mas tem uma boa premissa.
    Adoro livros de época e fiquei curiosa com essa mistura hot.

    Beijos
    Construindo Estante || Promoção de aniversário do blog

    ResponderExcluir

Uma das coisas que mais incentiva uma blogueira é saber o que estão pensando sobre o seu trabalho. Por isso seu comentário é IMPORTANTE. É com ele que vou saber se estou indo pelo caminho certo. Criticas positivas? são mais que aceitas. Criticas negativas? também, só peço que seja feita com respeito. Esse é um espaço para trocar ideias e espero ver você por aqui.