O Vento me disse...#63 - Os Donos da Terra - Janet Dailey

Os Donos da Terra
Autora: Janet Dailey
N° de páginas: 374
Editora: Record
Ano: 1983
Série: Família Calder
Skoob: Aqui
Uma história romântica, de uma paixão incontrolável e ardente, tendo como pano de fundo as planícies do Oeste americano, com seus velhos e rígidos códigos de honra e seus homens violentos.Os Calder dominavam um verdadeiro império em terras que se estendiam por grande parte do Estado de Montana. Todo esse poder desperta inveja e cobiça nos outros criadores de gado da região.A sedução de uma menina de quinze anos por um membro da família Calder desencadeia uma envolvente trama onde se entrelaçam o ódio, a vingança e o ultraje. Mas acima de todos esses sentimentos, surge o amor como uma chama de vida, renovadora, a impulsionar dois seres apaixonados no seu esforço de enfrentar, numa luta dramática, dois terríveis inimigos.

O Dia mundial do livro passou e com ele decidi ler um pouco. Aproveitei o momento para reler um livro que li na minha adolescência e que me marcou bastante, Os Donos da Terra da autora americana Janet Dailey (uma das minhas autoras favoritas) para ser mais exata. O livro foi lançado há três décadas por isso não estranhem se sua mãe ou tia também já leu, sobre a edição em si não tem muito o que falar, afinal, estou falando de uma edição publicada em 1983 pela Editora Record, então, nada sobre qualidade da tradução, diagramação, etc. 

Os Donos da terra é o primeiro livro de uma série chamada 'A família Calder' que contém 11 volumes, sendo que no Brasil apenas 4 foram publicados. O livro narra à história da família Calder que durante anos vem lutando para manter as terras que conquistaram, tornando as mesmas em um verdadeiro império em pleno oeste dos Estados Unidos. É neste cenário que conhecemos Chase Calder e Maggie O'Rourke, os protagonistas da trama.

Chase é o único herdeiro da fazenda Triplo C, a maior fazenda da região e Maggie é a filha mais nova do pequeno fazendeiro Angus, que por fraqueza e inveja nutre um ódio imenso pelos membros da família Calder, especialmente ao patriarca Webb Calder. Maggie, aos 15 anos, ajuda o pai e o irmão Culley nos cuidados da fazenda e no trabalho doméstico já que é órfã de mãe. Por viver uma vida simples e de privações a garota sonha com o dia em que deixará à miséria e de fato será uma dama. Enquanto isso, Chase vive o oposto. O mesmo mora na fazenda mais respeitada da região ao lado de seu pai Webb, com uma empregada que era uma especie de 'madrinha' e seu filho, Buck Haskell, que foi o mais próximo que ele já teve de ter um irmão.

Apesar de ter apenas 22 anos, Chase cresceu sabendo da responsabilidade que seria administrar o império formado pelo seu pai e quando se envolve com Maggie sabe que não iria muito além. O fato é que apesar do envolvimento deles ser algo inesperado para ambos e de ter durado pouco, foi algo que marcou a vida deles para sempre, mesmo ficando longe um do outro por mais de uma década.   

Depois de 15 anos, Maggie se vê 'obrigada' à voltar a cidade que não pensava mais pisar e sua volta trás questões do passado como o assassinato do seu pai, o ódio que continua a consumir o seu irmão, a atração sexual que continua viva entre ela e Chase e o principal, o filho que era só 'seu' agora conhece o seu verdadeiro pai. 
" -Não podemos voltar, Chase. Não podemos encontrar o que perdemos. - murmurou.
- Não quero o que tivemos no passado... Quero Construir sobre o que temos hoje, para que haja um amanhã." (p:317)
Gosto dos enredos criados pela Janet pois são simples ao tempo que possuem uma intensidade que me agrada - especialmente os livros de livraria (muitas de suas obras são distribuídas no Brasil como romances de banca). Ela consegue escrever um enredo profundo e sentimental mesmo alimentando os clichês já tão batidos no gênero literário.

Em Os Donos da Terra, a autora abusa da descrição para narrar uma história envolvente que prende o leitor até as últimas páginas. O romance desenvolvido possui elementos interessantes como o ódio entre famílias, uma separação inicial causada por um motivo forte e não por uma terceira pessoa (mulher/homem) como geralmente acontece, sem falar no toque sensual e até certo ponto, cru, que ela dá ao envolvimento do casal protagonista. Cabe destacar que as cenas entre eles são definitivamente a "cereja do bolo".

A única coisa que pode ser que desagrade ao leitor que queira arriscar na leitura é o final. Como de costume (quem já leu A Carícia do vento e Amante Indócil sabe o que estou falando), a autora corre demais com as situações finais e fica aquele gostinho de "como assim, já acabou?", acredito que se tivesse um epílogo essa sensação teria menos peso depois das derradeiras últimas linhas. 

Confesso que essa "correria" da autora é algo que gosto e desgosto, é como uma "marca" da autora, sabe? Ela deixa para que o público imagine o que de fato deve ou não ter acontecido a partir do fim. Como não posso fazer nada em relação a isso, só posso me aficionar cada vez mais em suas histórias. Por fim, Os Donos da terra é recomendado a você que gosta de um romance simples, intenso, envolvente, com toques clichês e bem sensuais. Não desista no primeiro capítulo! 
"Um céu de promessa, Um céu tao imponente, Este céu que leva a marca dos calders". (p.366)

16 comentários :

  1. Oi Nathalia, tudo bem? Não conhecia a autora, mas assim que vi a capa me lembrei dos romances de banca que eu simplesmente AMO! E não me importo muito com o fato de ser antigo, já estou preparada, leio muito Diana Palmer e alguns são da mesma época. Essa intensidade na história me agrada bastante e mesmo com o final corrido eu acho que curtiria a leitura!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oi Nathalia, este livro tem quase a minha idade, adoro estas edições antigas e de ler com o ponto de vista da época. Eu noto que livros mais antigos, falam de disputa por terras ou casamentos arranjados, e percebo também que mesmo personagens jovens, são mais maduros. Gostei da tua dica, mas acho difícil encontrar este livro ou a coleção que foi lançada aqui. Parabéns por tua resenha.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Recentemente li um livro da Editora Record nessa mesma linha, uma edição bem antiga, tipo romance de banca e eu adorei, bem nostálgico.
    Nunca li nada da Janet, mas gostei da premissa desse livro em questão e para um romance de banca o enredo profundo é algo inovador para mim, que sempre vejo tramas despretensiosas. Mesmo achando uma pena o desfecho corrido eu adoraria ler a obra.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?

    Confesso que não conhecia a autora, menos ainda suas obras. Confesso também que ando fugindo da leitura de mais séries, porque acompanho séries demais. rs
    Mas fiquei curiosa, porque você me deixou com a sensação de que a autora deixa finais abertos aos leitores, em alguns livros eu gosto disso. O final corrido, acho que depende muito da obra, é como você falou, uma marca da autora.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Oie!

    Não conhecia a obra, mas com certeza deve ser uma leitura muito boa, livros antigos, principalmente romances eram e são maravilhosos, irei ver se encontro esse para ler!

    Bjss

    ResponderExcluir
  6. Ahhh que bacana essa indicação, ainda nao conhecia o livro, nem essa série gigante, uma pena que apenas publicaram 4 livros de 11.
    Gosto de enredos assim, romanticos e com uma historia por trás, mas acho que nao ia gostar mto dessa correria no final, mas se é marca registrada da autora, os fãs ja devem terem se acostumados, hehe.
    Otima resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Não conhecia esse livro, mas achei interessante a premissa. O fato da autora correr em alguns pontos não me incomoda se a trama permanecer coerente.
    Confesso ter ficado curiosa com esse final meio que aberto para interpretação dos leitores.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  8. Semmmmm oooooorrrrrrr
    Eu li este livro a mais de 20 anos e caramba, lendo a sua resenha, me emocionei com a saudade que senti desta história. Que delicia relembrar um romance tão bacana... Fiquei com vontade de ler outra vez.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu amo romances. E fiquei ainda mais interessada nesse só pelo fato que é um estilo romance de banca. Meu amor pela leitura começou por livros de banca e até então entrei nesse mundo louco e apaixonante.

    Adorei a história e fiquei curiosa para saber se eles terminam juntos ou não.

    A unica coisa que me deixa triste é por ser uma série que não foi toda publicada. Pq qnd se tem leitores que amam a série é desmotivador.

    Sua resenha ficou ótima. Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá Nathália, tudo bem?
    Se eu te falar que não conheço esse livro você acredita? Sequer havia ouvido falar da autora que parece ser tão boa e ter tantos livros publicados. Achei o plot desse livro bem interessante e gostei da questão das obrigações do mocinho. Infelizmente essa característica da autora é algo que mais me desagradar, sem dúvidas, finais corridos me irritam, mas, já que a obra recebeu tantos elogios e que você a releu, vou anotar a dica.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  11. Olá! Amo romances assim, estão entre meu tipo de romance predileto pra ler! Gosto quando os protagonistas precisam por algum motivo se afastar e depois de anos se encontram e ressurge aquela paixão toda novamente. E nesse caso onde um ódio entre as famílias existe, com um desejo de vingança e tudo o que eles precisam resolver.. Amei a dica!


    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que nunca tinha ouvido falar sobre esse livro ou sobre a autora, mas parece ser uma leitura bem gostosa. Apesar do enredo ser bastante clichê, acho que deve ser um bom livro para intercalar com leituras mais pesadas.
    Só duas coisas me desanimaram um pouco. Primeiro, o fato de serem 11 livros e apenas 4 terem sido publicados no Brasil. Mesmo que sejam livros independentes, eu prefiro ler tudo. Além disso, acho que o final corrido iria me deixar desapontada com a leitura, porque é algum que me incomoda muito.
    De qualquer forma, adorei sua resenha e fico feliz que tenha gostado desse livro e de outros da autora.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oi Nathália,
    eu sou uma leitora voraz quando o assunto é romance, iniciei minha vida literária com este gênero e desde então tenho devorado tudo o que diz respeito a isto. Por isso não é nenhuma surpresa eu ter me interessado por esta história, inclusive fiquei com muita vontade de ler, mas uma série de onze livros certamente não cabe na minha pilha de leitura infinita, de qualquer forma já guardei o nome da série para o caso deu topar com os livros por ai.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  14. Oie, tudo bom?
    Não gosto de livros corridos, e ainda mais com 11 livros! Hahaha
    E como a série não continuou no Brasil, é pior ainda né? Passo a dica dessa vez, mas adorei o post pois é um livro que não conhecia.

    ResponderExcluir
  15. Já li outra obra da autora e realmente algo corrido é uma característica presente em suas histórias, mas isso que a deixa diferente das demais obras que são publicadas. Apesar de já ser uma série antiga, e uma pena que não tenha continuado no Brasil, vou buscar saber mais do enredo. Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  16. a capa me fez lembrar romances de epoca, nao conhecia o livro mais já ouvi algumas pessoas falarem sobre as obras da autora indicação anotada.

    ResponderExcluir

Uma das coisas que mais incentiva uma blogueira é saber o que estão pensando sobre o seu trabalho. Por isso seu comentário é IMPORTANTE. É com ele que vou saber se estou indo pelo caminho certo. Criticas positivas? são mais que aceitas. Criticas negativas? também, só peço que seja feita com respeito. Esse é um espaço para trocar ideias e espero ver você por aqui.