1° Sorteio do Blog - Romances de Banca



Oi leitores, como estão? 

Tava matutando aqui e decidi criar esse momento no blog. Tenho alguns livros de banca que gostaria de doar, ou melhor sortear. Então, decidi unir o útil ao agradável.

Todo mês aqui no blog, irei sortear um livro de banca para um leitor, não precisa ser seguidor (mais se seguir, ganhará chances extras...hehe J). 

O livro que escolhi a ser sorteado é o primeiro da série da família Griffin, da autora Suzanne Enoch, Marido por Encomenda. É um clássico histórico da antiga Nova Cultural. Eu super gostei!



Aqui a sinopse: 

Londres, 1811
A espera de um marido sedutor....
Eleanor Griffin sabe que um dia terá de se casar, mas até que esse dia chegue, ela quer flertar e namorar, como qualquer outra jovem de sua idade. Entretanto, temeroso de que a irmã se envolva em um escândalo, o duque de Melbourne pede a seu melhor amigo, Valentine, que fique de olho na espevitada Eleanor...
Não poderia existir, em toda Londres, um acompanhante menos qualificado do que Valentine Corbett, um homem tão libertino e devasso quanto bonito e atraente. Um conquistador incorrigível... e por quem Eleanor é apaixonada desde menina! Mas quem diria que Valentine seria capaz de se comportar de maneira tão honrosa e respeitável, como um perfeito cavalheiro, apesar do brilho de desejo que ilumina seus olhos sedutores? E Eleonor precisa tomar cuidado, pois ela prometeu se casar imediatamente com o homem escolhido por seus irmãos, ao menor sinal de escândalo. 


Então o que é preciso????

    
         1.  Morar em território brasileiro;
      2. Deixar um comentário nessa postagem com seu nome completo e dizer que esta participando (essa será a sua inscrição).


E pronto, você já tá concorrendo! Tá vendo como é fácil?

O vento me disse... #03 - Orgulho e Preconceito - Jane Austen


Livro: Orgulho e Preconceito
Autor: Jane Austen
Número de páginas: 400
Editora: Landmark
Ano: 2012
Skoob: aqui 
Compre: aqui ou aqui
O principal assunto do livro é contemplado logo na frase inicial, quando a autora menciona que um homem solteiro e possuidor de grande fortuna deve ser o desejo de uma esposa. Com esta citação, Jane Austen faz três referências importantes: a autora declara que o foco da trama será os relacionamentos e os casamentos, dá um tom de humor à obra ao falar de maneira inteligente acerca de um tema comum, e prepara o leitor para uma caçada de um marido em busca da esposa ideal e de uma mulher perseguindo pretendentes. O romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet (Lizzy) e Fitzwilliam Darcy na Inglaterra rural do século 18. Lizzy possui outras quatro irmãs, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo. Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma de suas filhas. De fato, ele parece se interessar bastante por Jane, sua filha mais velha, logo no primeiro baile em que ele, as irmãs e o Sr. Darcy, seu amigo, comparecem. Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, o Sr. Darcy, por seu jeito frio, é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram. A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato. A partir daí o livro mostra a evolução do relacionamento entre eles e os que os rodeiam, mostrando também, desse modo, a sociedade do final do século 18. 
A história do livro inicia-se com a chegada do rico Sr. Darcy e Mr. Bingley a cidade fictícia de Meryton em Hertfordshire, perto de Londres. Com a chegada dos mesmos, vemos como se desenrola as relações da família Bennet, que possuem em seu seio familiar, cinco filhas solteiras, ansiosas pelo casamento. A mais espirituosa de todas e que não trata o casamento como meramente uma convenção social é a segunda filha mais velha da família Bennet, Elizabeth, ou como é mais conhecida pelos íntimos, Lizzy. Com uma inteligência e personalidade até certo ponto, desafiadora, para o que se era esperado a uma mulher daquela época, Lizzy vai se envolver numa relação de orgulho, preconceitos, mal entendidos e, sobretudo, de compreensão, consentimento e amor verdadeiro com o tão enigmático e taciturno Sr. Darcy.

Eu não sei explicar muito bem o que Orgulho e Preconceito têm que atrai e encanta tanta gente (eu inclusive). A história é boa? Sim, mais venhamos e convenhamos, não tem nada de diferente do que já estamos acostumados a ler por aí. A escrita é legal? Sim, mas, sei que para algumas pessoas ela pode não ser tão boa assim, afinal, estamos falando de um livro escrito há dois séculos, é compreensível que o estilo da escrita tinha que ser diferente né? O livro tem romance e as cenas hots? Não, nenhumaaaaaa. Acreditem, lemos o livro inteiro e não temos uma cena vamos dizer... mais saliente. E então, porque esse falatório todo com relação ao livro?

Só posso dizer pra vocês que uma palavra define bem o que Orgulho e Preconceito é para mim:  Sensibilidade! A Jane Austen soube explorar tão bem a sensibilidade das emoções dos personagens (não só dos protagonistas que fique claro) e das situações vividas por estes que tornou uma obra que poderia ser considerada simplória em algo fenomenal.  Fazendo com que tanta gente se encante pela sua narrativa histórica.

Por isso meu querido leitor, quando for ler o livro- tanto os de primeira viagem ou os que já conhecem e amam-, tente perceber esses sentimentos, tenha a mente e o coração aberto. Sejam perceptivos aos sentimentos que transbordam na escrita de Austen e vocês verão que a obra realmente vale à pena e que, absolutamente, nenhuma resenha e/ou opinião poderá expressar bem o que ela foi, é e será.

Se você quiser comprar a obra existe várias versões sendo vendidas pelos sites e livrarias. Eu tenho essa versão que tá logo aí encima. Na época, comprei por R$ 30,00, mais hoje tá muito mais barato. É uma versão bilíngue e a capa é a mesma do filme feito em 2005. Eu gostei dela, as folhas são amareladas, a capa é dura e não lembro ter encontrado algum erro de digitação ou coisa do tipo. 

Até a próxima! 

Mais que literatura #03 - Dicas para "pular" o carnaval



Diz aí, você tá preparado para pular o carnaval? Sim, isso mesmo, pulaaaaar o carnaval.


                               
Se você, como minha pessoa, não gosta dessas festas, não suporta ouvir falar em samba nessa época ou ver aqueles desfiles na televisão. Pra piorar a situação não tem grana pra viajar e passar uns belos dias na praia só na sombra e água fresca, posso dar umas dicas de como aproveitar o carnaval, "pulando" o mesmo.



A primeira delas é descansar, isso mesmo, nada melhor do que esses dias pra você ganhar novas energias com belas horas de sono. Afinal, pra quem dorme tarde e sai pra trabalhar ou pra estudar bem cedo, sabe como essas horas são valiosas e fazem falta nas nossas vidas...kkk 

                                 


Se você está com o sono em dia, tem uma "graninha" e quer curtir, porque não pegar um cineminha básico? Para às mulheradas Cinquenta Tons de Cinza tá aí, pra criançada o filme do Bob Esponja ainda tá em cartaz e para os homens tem o ótimo O jogo da imitação ou o filme de ação O destino de Júpiter. Opções não faltam! 


                                     
Se o cinema não é a sua praia, você pode aproveitar e ir visitar um amigo. Pode parecer simples, mais o encontro com aquele amigo que você não ver a um tempo pode ser muito bom. Você coloca a conversa em dia, pode fofocar daquela amiga que vocês tinham em comum e que se separou a pouco tempo...kkk Essas coisas, sabe? Pode ser até mesmo uma vizinha- sabemos que com essa correria que vivemos ás vezes nem temos tempo pra conversar com quem mora perto da gente.


                                                
E por último, se nada disso lhe interessar, só resta uma solução... Colocar a leitura em dia.
Se você sempre quis ler um livro e não deu tempo ou tem aquela pilha interminável que você não sabe quando vai terminar de ler, esse é o momento certo. 




E é isso, até a próxima!

O vento me disse... #02 - Como eu era antes de você - Jojo Moyes



Livro: Como eu era antes de você
Autor: Jojo Moyes
Número de páginas: 320
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Compre: aqui
Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe.Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.
Hoje quero falar sobre um livro que tenho certeza vai tocar seu coração. Se você é mais emotiva prepare-se para conhecer uma história apaixonante e totalmente arrebatadora. Estou falando do livro da Jojo Moyes, Como eu era antes de você (Me Before You). Nesses anos que estou na "blogosfera" pude ler, conhecer e comentar sobre muitos livros. Eu não sei você que me ler nesse momento, mais no meu caso, depois de conhecer tantos livros, são raras as histórias que eu posso dizer: -É inesquecível!

Isso se deve em grande parte pela deficiência (não sei se essa seria a palavra certa) das histórias publicadas ultimamente, uma ou outra obra é que procura ir além do que está na moda ou coisa do tipo. Mais isso não é só coisa do mundo literário, vemos isso por exemplo, na música, cinema, televisão... Enfim, o que quero dizer é que independente do que se vem publicando, Como eu era antes de você se encontra num nível indiscutivelmente elevado.

Sou Noveleira #02 - Fernando Colunga e seus amores



Olá, noveleiros! Hoje vou falar sobre o lindíssimo e talentoso ator mexicano Fernando Colunga e seus amores nas novelas (infelizmente não temos muitas informações sobre as suas companheiras (os?) da vida real, por isso, vamos falar apenas com quem ele teve mais química nas novelas... aí, aí, aí, ui, ui!

Antes de tudo, quem é Fernando Colunga?



Fernando Colunga Olivares nasceu na Cidade do México, em 03 de Março de 1966. É filho único de um engenheiro chamado Fernando Colunga e de uma dona de casa chamada Margarita Olivares. Começou sua carreira no mundo artístico como Dublê de Eduardo Yáñes na novela Dulce Desafio (1988).

Ingressou ao Centro Artístico de formação de atores da Televisa em 1990. Em Plaza Sésamo fez um personagem super divertido que o fez ser conhecido pelos mexicanos. Durante a década de 1990 participou de diversas novelas como Alondra, Esmeralda, A Usurpadora e a trilogia das Marias’s. Em 2003, junto com a atriz Adela Noriega protagonizou, e interpretou Manuel Fontes Guerra na novela Amor Real, com este personagem conseguiu alcançar seu terceiro prêmio TVyNovelas em 2004. O mesmo foi a consolidação de seu carreira, a critica especializada e o publico passou o chamá-lo de “El Rey de las telenovelas".

A última novela protagonizada por Colunga foi feita em 2012 com o nome de Porque el amor manda, o ator pôde compartir créditos com a atriz Blanca Soto. A parceria deu tão certo entre o “casal” que os mesmos estenderam essa cumplicidade para os palcos de teatro com a peça Obscuro Total. Em 2014, o ator gravou cenas de um filme ao lado de Eduardo Yáñes. Espera-se que neste ano, ele possa retornar as telinhas.




Enquanto isso não acontece que tal relembrar alguns de seus amores em novelas, vamos lá?!

“Papo Reto” - Refletindo Amizades e Decepções




Falar sobre amizade é algo tão bom né? Afinal, amigo é algo essencial e são presenças constante em nossa vida. Mais se existe uma coisa que todo mundo já passou e que nunca queremos passar novamente é aquela situação em que nos decepcionamos com alguma amiga. Veja bem, existe as falsas amigas, as colegas e as conhecidas, mais o que me atento aqui é nas amigas mesmo, aquelas que estiveram sempre do seu lado.

Sei que todo ser humano é sujeito a falhas e que essas falhas são fundamentais para o seu crescimento, amadurecer é uma dadiva, pena que são poucas as pessoas que utilizam a mesma durante a sua vida e pena que nunca vamos estar totalmente preparados para enfrentar as decepções causadas por aqueles que amamos, confiamos e chamamos de amigos.